quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Balanço de 2007

Ao ler um dos meus blogs preferidos encontrei as palavras certas que descrevem exactamente aquilo que 2007 foi para mim!!! por isso faço das palavras dessa pessoa as minhas palavras alterando apenas certas datas...


"Resolvi fazer um pequeno balanço de 2007. Um balanço do que mudou neste ano que agora terminou.

Olho para trás e vejo que realmente a vida muda, mesmo sem nós querermos ou contarmos com essas mudanças, ás vezes um acontecimento marca-nos para sempre, e muda-nos como nunca pensariamos mudar.

Em Setembro a minha vida deu uma reviravolta. Tornei-me uma pessoa diferente por ter perdido um filho. Claro que ainda hoje, ao fim de 3 meses ninguém, ou muito poucas são as pessoas que percebem esta minha mudança, este meu estado de espírito que se encontra muito alterado.

O sorriso natural que estampava diariamente na cara desapareceu, a alegria que tinha no olhar desvaneceu-se, para dar lugar a saudade constante e uma tristeza que não se explica por palavras.

As pessoas pensam que apenas se perde um filho quando este morre após o nascimento. Não é verdade. Perdemos um filho desde o momento em que sabemos que o trazemos no ventre e a vida nos tira esse bebé.

A luta constante por uma serenidade nunca desaparece, mas dificilmente se alcança. Há momentos mais serenos, sem dúvida, há momentos de diversão e alegria, mas é uma alegria diferente, que de um minuto para o outro desaparece.

As datas, os locais, determinadas pessoas fazem com que nos recordemos constantemente do nosso filho, e depois há as outras que teimam em que esqueçamos. Não entendem, por mais que lhes mostremos, não conseguem perceber que este filho estará para sempre na nossa vida, mesmo que em memória, mas estará. Entretanto uma nova gravidez, mais confusão de sentimentos, alegria à mistura com tristeza, nem sem bem explicar. Até nisso mudei. A Felicidade da gravidez anterior não se repete nesta gravidez. E lá está. com isto vem a culpa, culpa de não me dedicar a este filho como deveria, de não me permitir sentir feliz como gostaria e este filho o merece.

Espero que com este novo ano as coisas possa mudar, possa finalmente ter este filho nos braços, e que me traga a tal felicidade no olhar que perdi. Acredito que nunca irá ser a mesma, mas pelo menos que exista, porque olho para trás e vejo que me tornei uma pessoa diferente, mais isolada, mais no meu canto, porque ninguém me permite mostrar o que sinto realmente.

Desejo a todas as mamãs que como eu perderam um filho toda a felicidade neste novo ano, e que nunca deixem de sonhar, porque só sonhando e tendo esperança poderemos alcançar o tão maravilhoso sentido, o de ter um filho nos braços, porque afinal de contas, MÃES JÁ SOMOS!!!"



Feliz ano de 2008

6 comentários:

Lena disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lena disse...

Tita eu sei exactamente o que sentes..
Conheço tão bem esses sentimentos... São palavras que descrevem aquilo que sinto e tu sabes que eu já vivi isso na pele!!! Deus fez o que fez e não me perguntes porquê... Mas eu tenho a certeza que a tua história terá um fim muito feliz pois como tu dizes "EU sou bruxa..." E o meu coração já sente muito amor por esse bebé!!! Quanto ao sorriso ele está aí!!! Mesmo que disfarçado de lágrima!!!
Tú és uma lutadora e Deus só põe á prova os que mais ama... Alguém me disse isso e agora eu digo-te a ti!!!
Tu tens muito amor(eu sei que tu o amas como sempre amaste o Tomás) para esse bebé e tens anjos no céu para te proteger!!!

Beijos
Lena

Maria José disse...

Tudo de bom para ti amiga neste 2008. És uma lutadora.
bjs

Mara disse...

Adorei o texto!
Beijinhos grandes e tudo a correr bem!

pamgvb disse...

um beijinho.

Susana Pina disse...

Como eu te compreendo...
Também eu passei e ainda passo por essa dor, pelas datas, pelas pessoas, polos locais que tanto me lembram a gravidez que tanto desejei e a qual perdi também com 22 semanas.
Continuo a lutar por um filho, mas sei que mesmo que consiga voltar a ficar gravida, nunca mais vai ser igual. Aquela felicidade imensa, tranbordante, contagiante, nunca mais vai existir em nós.
Quando dizes que ficamos diferentes, de facto ficamos, é uma dor muito grande a dor de perder um filho. Nunca mais podemos ser as mesmas. Eu também mudei muito.
Mesmo assim temos que conseguir ser felizes, agora tens contigo o mano/a do teu Tomás e tal como ele, este teu bebé precisa de ti, do teu amor, da tua disponibilidade, dos teus afectos.
Desejo-te um ano de 2008 replecto de realizações e muitas felicidades para a tua nova gravidez
Bjs grandes
Susana Pina